11.28.2008

Bicharada



Coelhinhos e gatinhos, uma fornada prontinha a sair.
Disponiveis - 7€

11.24.2008

11.21.2008

Quentinho









Gorros de lã disponiveis para bebé, criança e adulto - Azul, rosa, roxo e preto - 5 a 7€
Casacos de lã disponiveis para bebé - Azul, rosa e branco - com aplicações de feltro ou crochê - 10€

11.15.2008

Pregadeiras



Borboleta, lã com alfinete
Disponivel - amarelo, roxo e rosa - 4€

Gorro



Cá está mais uma foto, com a miha "modelita" preferida e a sua mamãe. Que lindas estão!
Saliento o artigo - Gorro de lã, disponivel em tons de rosa, roxo e azuis - 7€

Agradeço às modelos

11.10.2008

Sling!



A minha linda cobaia, Leonor, formosa e segura no sling Momento!




















Sling Dupla-Face
Tamanhos do S ao XL (medida do ombro à anca inversa)
54 e 59 cm = S
60 e 65 cm = M
66 e 69 cm = L
70 e 74 cm = XL
Por encomenda - 35€ (portes de envio incluido)


O que é o Sling?
Consta que em culturas indígenas em que a norma é carregar o bebé, os bebés choram apenas alguns minutos por dia contrastando com os bebés ocidentais que choram várias horas por dia o que contribuí para o cansaço e ansiedade nesta fase da vida que se quer mágica e de encantamento…
É através do tocar e do cheirar que os bebés estabelecem o seu primeiro contacto com o mundo.
É assim, também, que criam os laços e estabelecem as bases do relacionamento com os seus pais.
Amamentar, pegar ao colo, conversar, cantarolar, embalar, confortar são algumas dasvárias acções adoptadas instintivamente pelos pais e que são fundamentais para o fortalecer destes laços.

A nossa sensibilidade e entendimento das suas necessidades aumentam na medida em que o contacto é próximo e constante.
Sling – um sling é uma versão cosmopolita das kangas africanas, dos xailes, lenços e capolanas que as mulheres de culturas à volta do mundo utilizam há séculos para trazer os seus bebés junto a si desde que nascem.

Esta versão moderna e adaptada usa-se a tiracolo e tem um desenho especifico que permite que o bebé se aninhe confortável e seguro junto do corpo da mãe.

Slings... Porquê?
Porque as mães só têm duas mãos…
Ao usar um sling podemos mover-nos livremente, mesmo no meio de sítios cheios de gente como um supermercado ou centro comercial, podemos subir e descer escadas livremente, podemos dar um passeio na praia e tantas outras coisas que a utilização de um carrinho de bebé inviabiliza ou dificulta muitíssimo!
Ao usar um sling podemos dar de mamar ao nosso bebé de forma discreta em qualquer lugar público: não só evita eventuais olhares indiscretos ou constrangimentos como permite “bloquear” o excesso de estímulos quando o nosso bebé se distraí facilmente.
Usarmos o nosso bebé ajuda ao seu desenvolvimento…
Quando o bebé anda no sling encostado à sua mãe ele vai sintonizar-s
e com o ritmo da sua respiração, o bater do seu coração e todos osmovimentos que a mãe faz –andar, dobra-se, esticar-se para alcançar algo. Este tipo de estímulos ajuda o nosso bebé a regular as suas próprias reacções físicas e a desenvolver o seu sentido de equilíbrio.Na sua essência o sling é como uma “barriga de transição” para um recém nascido.Há diversos estudos que apontam como de extrema importância a existência de contacto físico sistemático e regular para um desenvolvimento mental, físico e emocional equilibrado do ser humano e em particular dos bebés.
Os bebés slingados são mais felizes…
... e os pais também!O choro e falta de sono é muito cansativo para os Bebés e para os pais!Quando o nosso bebé está no sling, ele está em contacto directo com a mãe : ele sente o seu cheiro, o seu calor, ouve o bater do coração quelhe é tão familiar, torna-se simplesmente mais calmo e tranquilo com este desconhecido mundo novo que o rodeia, sente - se mais seguro e chora menos!

O sling não é só para recém nascidos!Os slings são normalmente associados a bebés recém nascidos, mas são muito úteis para crianças mais crescidas (suportam em média até 15Kg):As crianças tendem a ficar muitas vezes “sobre estimuladas”/excitadas, um passeio no sling ajuda a acalmar e confortá-las.

Sorrio quando vejo um pai a sair para passear com o seu bebé num sling… O bebé vai familiarizar-se com o seu tom de voz, o seu cheiro, os seus movimentos e batimento cardíaco – entre os dois inicia-se uma relação só deles! O pai não leva o “avanço” de 9 meses que nós mães alcançamos com os nossos bebés durante a gestação, mas isso não quer dizer que não possam e queiram começar logo que o vosso bebé nasce. O mesmo principio se aplica aos avós e outros adultos envolvidos na existência do bebé.

Enroscar-se no sling é uma forma maravilhosa de se começarem a conhecer!

11.01.2008

Ode ao gato








Pablo Neruda
tradução: Eliane Zagury

Os animais foram imperfeitos,
compridos de rabo,
tristes de cabeça.
Pouco a pouco se foram compondo,
fazendo-se paisagem,
adquirindo pintas, graça vôo.
O gato, só o gato apareceu completo e orgulhoso:
nasceu completamente terminado,
anda sozinho e sabe o que quer.
O homem quer ser peixe e pássaro,
a serpente quisera ter asas,
o cachorro é um leão desorientado,
o engenheiro quer ser poeta,
a mosca estuda para andorinha,
o poeta trata de imitar a mosca,
mas o gato quer ser só gato
e todo gato é gato do bigode ao rabo,
do pressentimento à ratazana viva,
da noite até os seus olhos de ouro.
Não há unidade como ele,
não tem a lua nem a flor tal contextura:
é uma coisa só como o sol ou o topázio,
e a elástica linha em seu contorno firme e sutil
é como a linha da proa de uma nave.
Os seus olhos amarelos
deixaram uma só ranhura
para jogar as moedas da noite .
Oh pequeno imperador sem orbe,
conquistador sem pátria,
mínimo tigre de salão,
nupcial sultão do céu das telhas eróticas,
o vento do amor na intempérie
reclamas quando passas
e pousas quatro pés delicados no solo,
cheirando,
desconfiando de todo o terrestre,
porque tudo é imundo
para o imaculado pé do gato.
Oh fera independente da casa,
arrogante vestígio da noite,
preguiçoso, ginástico e alheio,
profundíssimo gato,
polícia secreta dos quartos,
insígnia de um desaparecido veludo,
certamente não há enigma na tua maneira,
talvez não sejas mistério,
todo o mundo sabe de ti
e pertences ao habitante menos misterioso
talvez todos acreditem,
todos se acreditem donos,
proprietários,
tios de gato,
companheiros,
colegas, discípulos
ou amigos do seu gato.
Eu não. Eu não subscrevo.
Eu não conheço o gato.
Tudo sei, a vida e o seu arquipélago,
o mar e a cidade incalculável,
a botânica o gineceu com os seus extravios,
o pôr e o menos da matemática,
os funis vulcânicos do mundo,
a casca irreal do crocodilo,
a bondade ignorada do bombeiro,
o atavismo azul do sacerdote,
mas não posso decifrar um gato.
Minha razão resvalou na sua indiferença,
os seus olhos têm números de ouro.
Artigos únicos, disponiveis. Esculturas e azulejos em Raku
Gato branco - 45e
Gato preto - 53e
Azulejos - 15.50e (cada)